3 de mai de 2009

A Cigarra e a Formiga


uitos anos depois eu percebo finalmente como era amiga dos insetos e bichinhos pequeninos. Meu prediletos eram os tatu-bolinhas. Mas uma vez eu fiquei encucada com a estória da Cigarra e da Formiga, do La Fontaine. Estava revoltada com o desprezo da formiga pela cigarra, que eu achava a mais legal de todas. Queria até ser amiga íntima dela. Foi quando eu decidi ir até o quintal e catar uma cigarra entre tantas que cantavam insistentemente naquela época. Eu achava que esta, em especial, estava me chamando. Peguei então a cigarra, amarrei numa linha e pendurei ela num prego na parede do meu quarto. Ela ficava voando e gritando indignada, eu acho. Mas eu, ingênua, achava que ela também queria ser minha amiga. Até que subitamente meu padrasto jogou fora aquele “bicho nojento”. Eu fiquei desconsolada e comecei a espernear e a gritar como a cigarra.

Adriana Peliano, 35 anos, artista plástica.

Um comentário: