10 de mai de 2009

João e o pé de sonhos


ontos de fada para mim significaram muito: Sempre fui fascinado com as clássicas Fábulas de Esopo, La Fontaine e também os contos de fadas de Charles Perrault.

Quem não sentia o clima cálido e morno do sol do "mais à tardinha ao sol poente" de Chapeuzinho Vermelho?
Ou quem não teve vontade de passar um tempo em cada uma das casas (palha, madeira e pedra) dos três porquinhos?

Sempre achei instigante, em especial, a história de João e pé de feijão: Cenário básico da Europa antiga, mas que também poderia ser em qualquer parte do mundo, no Brasil, por exemplo: Uma família muito pobre que mora no campo tem a perspectiva de conseguir uma renda extra com a venda - em uma feira temporária na cidade - de uma vaca leiteira gorda. Mandam o rebento João seguir viagem para tentar vender a vaca Mimosa e trazer um dinheirinho para a sobrevivência da família. João chega lá com a Mimosa, provavelmente não comeu nem bebeu nada durante a viagem e, caindo no papo de um sabichão aproveitador, troca a vaca por três supostamente mágicos grãos de feijão. De volta à casa é repreendido por seu ato "impensado" que deixaria a família em completo desespero e miséria. O pai de João revoltado atira longe os grãos de feijão e vão dormir. No dia seguinte, bem cedinho, João acorda e a surpresa é a de que havia um enorme pé de feijão que arranhava o céu, na janela de sua casa. Como um azougue ele salta de sua cama e alcança o pé de feijão, escalando-o até as nuvens...

A história segue com dados verdadeiramente surrealistas e, para mim, sempre criei claras imagens do castelo do Gigante no céu, do pé de feijão ao lado da casa e das machadadas que encerram a trama, e, sem esquecer da queda final do gigante. Com isto, acredito que esta história trouxe vários sonhos criativos e maneiras de ver a vida como o João do pé de feijão, que arriscou a fazer uma compra insana e, inconscientemente acreditando no poder mágico dos feijões, lidando com o inconsciente ao entrar num mundo onírico e surreal característico ao universo da criança.


Henrique Mourão, 28 anos, ator.

Um comentário:

  1. Oi Drica, parabéns pela sensacional imagem que você fez a partir do texto que escrevi. Achei que está excelente, com destaque para o pé-de-feijão em perspectiva, o espírito da imagem está aí. Muito legais os dos outros também. Vida longa ao projeto que está muito instigante. Um abraço.

    ResponderExcluir